Header Ads



Apenas metade dos moradores da região Sudeste usam cinto de segurança no banco de trás do carro

Créditos: Envato


O acidente com o ex-BBB Rodrigo Mussi fez voltar ao debate o uso do cinto de segurança. Rodrigo estava no banco traseiro de um carro de aplicativo quando o motorista bateu na traseira de um caminhão. O condutor, que usava o equipamento de segurança, não se feriu, já Rodrigo, que estava sem cinto, foi arremessado para fora do carro e, desde então, passou por cirurgias múltiplas na cabeça e na perna, onde teve fratura exposta.

De acordo com a última Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019, apenas 54,6% dos brasileiros afirmam sempre utilizar o cinto quando sentam no banco de trás do veículo. No Sudeste, o número é ainda menor, ficando em apenas 53,7%. Entre as capitais da região, o Rio de Janeiro é quem apresenta o menor percentual de pessoas que utilizam o dispositivo, somente 31,6%. Vitória, capital do Espírito Santo, tem o maior percentual, com 62,2% dos passageiros que utilizam o cinto no banco traseiro. Em São Paulo e Belo Horizonte, apenas 47,5% e 55,3% das pessoas usam o aparelho, respectivamente.

A falsa sensação de segurança é causada, normalmente, por trajetos de curta distância ou pela ideia de que os bancos do motorista e do passageiro são capazes de proteger em caso de acidente. O mestre em engenharia de transportes e professor do curso de Engenharia Civil da Universidade Positivo (UP), Hugo Alexander Martins Pereira, explica que o uso do cinto é fundamental para que o passageiro não seja arremessado em direção ao primeiro obstáculo que encontrar na frente, em caso de colisão. “No acidente, há uma relação entre o peso da pessoa e a aceleração em que o veículo se encontra, gerando uma força. O uso do cinto impede que o passageiro seja arremessado para frente, na direção do para-brisa, ou, em colisões laterais, para fora do carro”, detalha.

Por conta dessa força que causa o lançamento da pessoa sem cinto, no caso de acidente, ela pode levar riscos até mesmo para outros passageiros do carro que estejam utilizando o dispositivo. “Na colisão frontal ou traseira, o passageiro pode ser projetado contra o condutor e, mesmo que o motorista esteja usando o cinto, esse impacto pode causar ferimentos mais graves e até a morte. O mesmo risco é provável no caso de uma colisão lateral, na qual a pessoa sem cinto pode ser arremessada contra outros passageiros que estejam no banco traseiro com ela”, alerta o especialista.

Hugo aponta ainda que, além de fornecer segurança, o uso do cinto é obrigatório, tanto nos bancos da frente quanto no traseiro. “Conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro, não usar o cinto de segurança é uma infração grave, independentemente se é o condutor ou os passageiros que estejam sem o equipamento”, ressalta. A empresa de aplicativo que realizava o transporte de Rodrigo mudou a política de segurança após o acidente. Agora, o motorista pode cancelar a viagem caso o passageiro se recuse a usar o cinto. 

O cinto de segurança é um dispositivo que não possui vida útil apenas por tempo de uso do veículo. Porém, no caso de um acidente, o aparelho deve ser substituído depois do ocorrido. “Após a colisão, o cinto deve ser trocado imediatamente, porque todo o fator de proteção dele foi utilizado para realizar a proteção da pessoa. Se não houver nenhum tipo de acidente em que foi preciso forçar o uso do cinto para evitar essa projeção do corpo, a troca não é necessária”, esclarece o professor.

 

Sobre a Universidade Positivo

A Universidade Positivo é referência em Ensino Superior entre as IES do Estado do Paraná e é uma marca de reconhecimento nacional. Com salas de aula modernas, laboratórios com tecnologia de ponta e mais de 400 mil metros quadrados de área verde no campus sede, a Universidade Positivo é reconhecida pela experiência educacional de mais de três décadas. A Instituição conta com três unidades em Curitiba (PR), uma em Londrina (PR), uma em Ponta Grossa (PR) e mais de 70 polos de EAD no Brasil. Atualmente, oferece mais de 60 cursos de graduação, centenas de programas de especialização e MBA, seis programas de mestrado e doutorado, além de cursos de educação continuada, programas de extensão e parcerias internacionais para intercâmbios, cursos e visitas. Além disso, tem sete clínicas de atendimento gratuito à comunidade, que totalizam cerca de 3.500 metros quadrados. Em 2019, a Universidade Positivo foi classificada entre as 100 instituições mais bem colocadas no ranking mundial de sustentabilidade da UI GreenMetric. Desde março de 2020 integra o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional. Mais informações em up.edu.br/

Postar um comentário

0 Comentários